Situação actual

A Guiné-Bissau, uma nação situada na costa Ocidental de Africa, tem aproximadamente 1.500.000 habitantes com uma área de 36,125 Km² e é um dos países mais pobres do mundo, em termos económicos. A Guiné-Bissau foi uma colónia Portuguesa até 1974, ano em que ficou independente após uma guerra de libertação.

A maior parte da população vive como agricultores, integrados numa economia de auto subsistência. As cercas de 3.600 tabancas (aldeias) do país carecem de qualquer tipo de conforto, as condições sanitárias são altamente precárias. Os contrastes entre o campo e a cidade são muito marcados. Em 2.530 das tabancas existe somente uma escola primária.
A aposta no desenvolvimento do sistema do ensino, após a independência, não foi fundamentada e não houve nenhum crescimento económico e o sector da educação, como outros sectores sociais, tornou-se por isso extremamente dependente do financiamento externo através de programas de cooperação e crédito. Do orçamento geral do estado, o sector da educação, durante o período de 1978-88 recebeu 14-17% da totalidade para depois diminuir até aproximadamente 10% (10,4% em 1995).

Outro Sinal da posição cada vez mais débil do sector da educação na distribuição dos recursos é o facto da percentagem de 24% de PIB em 1984, diminuir para 0.9% em 1993 do orçamento do sector 94%que foi destinado ao salário dos professores e pessoal administrativo em (1993). Os escassos recursos disponíveis para o sector são, portanto, utilizados de uma forma muito ineficiente.

Além do sistema de ensino oficial, começa hoje a surgir uma flora de escolas alternativas geridas por particulares ou comunidades religiosas, nesta base para diminuir as carências sentidas no país, o projecto Misericórdia e Socorro, entre as suas várias acções, decidiu criar os dois centros ora aludidos cujo os objectivos se encontram vocacionados na promoção de alfabetização, como forma de erradicar a desinformação a que muitos desses alvos se encontram sucumbidos.

Veredicto:

Nestas escolas estão crianças altamente carenciadas, na sua maior parte filhos de agricultores de baixos recursos, e ainda algumas destas crianças vivem traumas causado pelo trágico momento, trazidos pela guerra passada,
Órfãos, quase toda a sua família morta.

O combate às doenças tropicais, como a malária entre outras, que predominam nesta região, tem sido um dos nossos maiores desafios diários, nossos alunos altamente expostos à doença, em alguns dos casos chegam mesmo a morrer por falta de assistência e acompanhamento.
A desnutrição é também um factor que afecta as crianças destas escolas, face à gravidades dos sintomas chegam alunos a desmaiar em plena sala de aula.
As necessidades:
A maior dificuldade com que nos temos deparado ultimamente, é a falta de equipamento escolar (carteira e cadeiras, principalmente) a falta de equipamento didáctico (livros, cadernos, canetas, lápis, borracha, lápis de cor e etc.), canalizações de água potável, equipamento da secretaria (computadores, impressoras, máquinas fotocopiadoras, etc.) a falta de equipamento escolar (carteira e cadeiras, principalmente)Este problema tem dificultado em muito o funcionamento das escolas, temos mesmo recorrido à própria ajuda das crianças que se prontificam a trazer os seus próprios banquinhos, sabendo no entanto que com bastante sacrifício, visto por vezes a escola ficar bastante onde as crianças tem caminhar debaixo de sol e chuva.


O projecto encontra-se sem recursos necessários para fornecer uma alimentação básica necessária, quer aos alunos quer aos professores, facto este que torna o trabalho quer de uns quer quer de outros extremamente difícil.

Localização geográfica da Guiné-Bissau e de N'sunté (no Google como Insumete), local onde nos encontramos com um espaço de 21 mil metros2 com complexo escolar, posto de saúde e campos agrículas já em fase inicial:

Para localizar N'sunté no Google Map, vá a https://maps.google.com/ e escreva "Insumete, Guiné-Bissau".